controle financeiro pessoal controle financeiro pessoal

Como criar uma rotina de controle financeiro pessoal?

7 minutos para ler

Você já teve aquela sensação de não fazer ideia de onde o seu dinheiro foi parar? Quando o fim do mês chega e as contas não fecham é sinal de que talvez seja hora de investir um pouco do seu tempo em uma rotina de controle financeiro pessoal.

Saber exatamente quanto está entrando no seu bolso e o que anda consumindo mais as suas finanças pode transformar a sua vida! Por isso, vamos aprender mais sobre como ter as suas contas na ponta do lápis — ou na tela do celular. Acompanhe!

O que é controle financeiro pessoal

Controle financeiro pessoal, em poucas palavras, significa: saber exatamente quanto você ganha, quanto você gasta e com o que você gasta. Uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) mostra que quase metade dos brasileiros não tem esse hábito de monitorar seu próprio orçamento e quem faz isso, ainda faz ‘de cabeça’, o que não é muito confiável, não é mesmo?

E o resultado de tudo isso? Pouquíssimas pessoas conseguem fechar o mês sempre no azul e grande parte acaba atrasando o pagamento das contas todos os meses. Então, se você não quer fazer parte desse grupo, confira o nosso passo a passo de como criar uma rotina de controle financeiro pessoal e organizar a sua vida de uma vez por todas!

Como ter um controle financeiro pessoal eficiente

O primeiro passo é conhecer todas as entradas do seu orçamento familiar, ou seja, sua renda total. A partir disso, é só criar uma rotina com regras bem estabelecidas, — sem inventar desculpas, combinado? —, e anotar todas as saídas, ou seja, seus gastos. Com tudo isso em mãos, você estará pronto para causar uma revolução na sua vida financeira.

Descubra quanto você ganha

Pode parecer óbvio, mas nem sempre o processo de conhecer a própria renda é algo simples. Se você tem um trabalho formal, com carteira assinada, verifique o seu salário líquido, isso é, já sem os impostos e descontos, ou seja, quanto realmente cai na sua conta.

Caso você seja profissional autônomo ou microempreendedor, desconte do seu lucro as tarifas que são fixas, como o INSS. Mantenha esse controle mês a mês e você poderá observar não só a média de lucro do seu negócio, como também se planejar para as variações ao longo do ano.

Se você tiver outras formas de renda, como aluguéis ou benefícios de programas sociais, por exemplo, também coloque na conta. Outro ponto importante é que o controle financeiro seja feito como um projeto de toda a família, para que você tenha o valor real da renda do seu lar.

Anote seus gastos

Agora que você já sabe a sua renda, é a hora de conhecer os seus gastos. É preciso anotar para onde seu dinheiro vai, e a primeira decisão a tomar é como você vai fazer isso.

Onde anotar

Não existe opção melhor ou pior — a maneira mais popular de se organizar ainda é o papel e caneta. Mas o importante é definir o que funciona bem para você e anotar as datas, os gastos e entender qual foi o destino desses valores. Se você gosta de modernidade e prefere fazer tudo pelo celular, a lojinha do aparelho está cheia de aplicativos financeiros para todos os gostos, e a gente tem um post só sobre eles!

O que anotar

Dentre tudo o que você precisa ter em mente, é essencial anotar:

  • gastos mensais, ou seja, os que são fixos ou variam pouco, como aluguel, água, luz, internet e parcelas de financiamentos. Isso porque essa parte da sua renda já está comprometida antes mesmo de o mês começar, sendo esse um dinheiro com o qual você não pode contar;
  • gastos anuais, que são aquelas grandes despesas que você consegue prever, como IPTU, IPVA e material escolar. Divida o valor deles por 12 e você terá uma noção do impacto que eles têm no seu mês, a fim de se planejar melhor;
  • lembra daquela sensação de que você não sabe onde seu dinheiro foi parar, da qual falamos lá no início do post? Provavelmente ele foi parar em pequenos gastos. Seja um pouco radical com eles e anote absolutamente tudo. Dá trabalho, mas vale o esforço, então não deixe para depois — anote sempre na hora!

Faça seu planejamento do mês

Experimente passar um mês anotando todos os seus gastos com frequência e, provavelmente, você terá uma perspectiva que nunca teve sobre a sua vida financeira. É importante também olhar para o mês que passou e dividir os gastos em grandes grupos, por exemplo:

  • aluguel;
  • contas;
  • mercado;
  • transporte;
  • lazer.

Adicione categorias conforme seu estilo de vida e necessidades. Por exemplo, se na sua família roupas ou cosméticos são gastos recorrentes, reserve um espaço apenas para essa parte.

Para o mês seguinte, é hora de transformar o controle em planejamento. Calcule quanto você espera gastar em cada um desses itens e veja se a conta fecha.

A velha máxima é tão fácil de falar quanto difícil de fazer: não gaste mais do que você ganha! Se seus gastos planejados são maiores do que sua renda, é hora de pensar onde você pode cortar gastos. Lembre-se que o juros do cheque especial (quando você fica ‘no vermelho’ com o banco) é de mais de 300% ao ano. Também evite ao máximo entrar no rotativo do cartão de crédito, (quando você paga apenas o mínimo e não a fatura inteira), pois é assim que começam as temidas bolas de neve.

Quite suas dívidas

Outro erro comum é deixar de pagar dívidas para não comprometer suas reservas. Seu dinheiro guardado em casa ou em uma conta poupança rende muito pouco ou até mesmo está diminuindo devido à inflação, enquanto suas dívidas aumentam em um nível muito mais rápido, por causa das taxas de juros.

Se suas dívidas estiverem “espalhadas”, considere a possibilidade de buscar um empréstimo e pagar todas de uma vez. É mais fácil gerenciar uma dívida maior, porém única, do que várias outras menores. Além disso, os juros desse empréstimo único serão menores que os juros acumulados mês a mês.

Melhore seus hábitos de compra

Um mercado que é ótimo para comprar carnes pode não ser tão barato assim para comprar frutas e verduras, então pesquise sempre. Outro inimigo da economia é o desperdício. Trocar a famosa ‘compra do mês’ por compras semanais pode ter um belo resultado nas suas perdas de alimento. E não se esqueça de usar a internet a seu favor! Se você precisa de um microondas novo, por exemplo, não compre por impulso. Você pode fazer uma ótima pesquisa de preços em várias lojas pelo Google.

Seguindo essas dicas, você estará no caminho certo para primeiro conhecer os seus próprios hábitos e, com o passar do tempo, fazer as mudanças que podem transformar a sua vida como um todo. Então, não deixe de investir na sua educação financeira e, se as contas estiverem fechando, passe a adicionar no seu planejamento do mês o dinheiro que você vai poupar para investir. O ideal é ter uma reserva que corresponda a seis meses dos seus gastos, assim você estará bem preparado para as emergências da vida!

Se você gostou de aprender mais sobre controle financeiro pessoal e está ansioso para botar tudo isso em prática, dê uma olhada também neste post sobre como ter uma renda extra na internet e investir no seu futuro!

Posts relacionados

Deixe um comentário