investimentos para PJ investimentos para PJ

4 investimentos para PJ e suas tributações

6 minutos para ler

Você não tem nenhum bom motivo para deixar o capital de giro da sua empresa — ou qualquer reserva que seu negócio tenha — parado e desvalorizando em uma conta-corrente. Com a política de redução da taxa de juros do atual Governo Federal, mesmo a poupança, investimento mais popular entre os brasileiros, não deve render mais do que 3,5% em 2019. Com estudo e informação, existem ótimas opções de investimentos para PJ.

Se você já investe como pessoa física, provavelmente está familiarizado com alguns dos principais investimentos de renda fixa e variável, e a sopa de letrinhas de CDBs e LCs não é estranha a você. É importante observar, no entanto, que as opções de investimento para pessoa jurídica são menores (o Tesouro Direto, por exemplo, é restrito a pessoas físicas) e, também, que pode haver variações em certos tributos e isenções, como veremos a seguir.

Este texto não é uma recomendação de investimento e a FortBrasil indica ao leitor sempre buscar informações e estudo em meios diversos. Ainda, se achar prudente, solicite a ajuda de um profissional que oriente você em sua gestão financeira empresarial. Boa leitura. 

1. Certificado de Depósito Bancário (CDB)

A primeira coisa que você quer saber antes de investir o dinheiro da sua empresa é a liquidez daquela aplicação, ou seja, se você pode resgatar o montante imediatamente uma vez que necessite. Esse é o caso dos CDBs de liquidez diária, que são, resumidamente, um empréstimo que você faz a um banco e recebe juros por isso.

Um CDB pós-fixado é vinculado ao índice do CDI (Certificado de Depósito Interbancário, ou seja, empréstimos entre bancos), uma taxa que acompanha de perto a Selic. É por isso que na hora de investir em um CDB é normal ler (ou ouvir) coisas como “esse CDB rende 100% do CDI”. Isso significa, na prática, que aquele investimento rende, ao ano, o mesmo que a taxa do CDI (que foi de 6,40% no acumulado de 2018). 

O CDB é um investimento conservador, protegido em até 250 mil reais pelo FGC (Fundo Garantidor de Créditos), e pode ter rendimentos diferentes conforme a instituição (bancos menores tendem a oferecer rendimentos maiores), o tamanho do aporte e o prazo de resgate.

O IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) é cobrado apenas para resgates em até 30 dias. A cobrança é regressiva (96% no dia 1 até 0% do dia 30 em diante) e incide apenas sobre os rendimentos — você paga impostos nos lucros, não no valor total.

O imposto de renda também é cobrado em uma tabela regressiva e direto na fonte:

  •  22,5% até 180 dias;
  •  20,0% de 181 a 360 dias;
  •  17,5% de 361 a 720 dias;
  •  15,0% de mais que 721 dias.

2. Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) e Letra de Crédito Imobiliário (LCI)

Outra opção de investimento de renda fixa, as letras de crédito podem ser tanto pré-fixadas, quando você já sabe o rendimento no momento em que coloca seu dinheiro, quanto pós-fixadas, e nesse caso são atreladas a algum índice, que pode ser o próprio CDI ou o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), por exemplo. 

Assim como o CDBs, os LCs são protegidos pelo FGC (Fundo Garantidor de Créditos). A tributação funciona nos mesmos moldes que um CDB e as principais variáveis são as mesmas, prazo e o valor da aplicação: quanto maior o aporte e o prazo do resgate, maiores os rendimentos. 

3. Fundos de Investimento

Os fundos de investimento podem oferecer rendimentos de saltar os olhos, mas exigem estudo e atenção redobrados. O primeiro ponto a se observar é que os fundos podem ser de renda fixa, variável ou misto, o que interfere diretamente no nível de risco que o investidor estará exposto. 

O segundo ponto de atenção é a já citada liquidez. Até existem fundos de renda fixa com liquidez diária, mas é importante atentar à regressão do IOF, que segue os mesmos números que apresentamos anteriormente. O imposto de renda, por sua vez, vai variar conforme os prazos e tipo de investimento contidos no fundos, variando entre 22,5% a 15%. 

Não se esqueça, também, de conferir as taxas de administração do fundo, que podem ser bem altas, e sempre observe as taxas de corretagem que estão sendo praticadas. Usar a corretora do banco em que está a conta da sua empresa pode até parecer intuitivo e prático, mas o mercado oferece inúmeras opções de corretoras independentes com taxas menores (e até zero para certos produtos).

4. Ações

Aqui é preciso tomar um cuidado especial, pois entramos definitivamente no campo dos investimentos de renda variável. Quando falamos em ações, é comum pensar no chamado day trade, a compra e venda de ativos em um mesmo pregão, tão retratada no cinema. Embora a ideia possa ser sedutora, operações do tipo exigem, primeiramente, muito tempo e conhecimento da chamada análise técnica. O day trade é uma operação de alto risco.

Agora, se você está disposto a assumir riscos com o capital da sua empresa e tem interesse nos rendimentos oferecidos pelas bolsa de valores, há a opção de fazer investimentos de longo prazo — buy and hold (compre e segure) no jargão da área. A ideia aqui é ser sócio de uma outra empresa com o capital do seu negócio e você ganha tanto com o pagamento de dividendos quanto com uma venda futura, caso haja valorização daquele papel. Se você tiver sócios, será necessário definir um emissor.

De maneira geral, os princípios do investimento para PJ e para pessoa física são os mesmos: estudo, análise de risco, disciplina e entendimento do próprio perfil e de que decisões equivocadas são tomadas quando nos expomos a investimentos mais arriscados do que estamos, financeiramente e/ou emocionalmente, preparados para encarar. 

Ainda sobre seu perfil como investidor, não há nada de errado em separar sua pessoa física e jurídica. Você pode, por exemplo, estar muito mais disposto a se expor aos riscos da renda variável com o seu dinheiro do que com o caixa do seu negócio. Não se esqueça de metrificar e pensar esses investimentos como parte do seu planejamento estratégico.

Também, essa não é uma lista extensiva e pessoas jurídicas têm outras opções de produtos financeiros, tanto em renda fixa quanto em renda variável.

Gostou de aprender mais sobre esses 4 investimentos para PJ? Então, confira mais este artigo sobre como administrar seu fluxo de caixa

Posts relacionados

Deixe um comentário