metas financeiras metas financeiras

Como estabelecer metas financeiras pessoais e alcançá-las?

9 minutos para ler

Sabe o que está separando você dos seus sonhos? Sejam eles sair do aluguel, trocar seu celular ou mesmo viajar nas férias com a família, para alcançá-los é necessário ter um planejamento eficiente das suas finanças. Estabelecer as metas financeiras e realmente focar nelas é o primeiro passo para atingir o sucesso. Sem esse controle, seus objetivos acabam ficando cada vez mais longe e você ainda pode correr o risco de terminar o mês no vermelho.

Quando criamos metas, é importante não se perder no meio do caminho. Por exemplo, ao passear pelo shopping durante um período de promoções, será preciso resistir às compras, uma vez que o propósito para seu dinheiro já foi estabelecido. Se adquirir algo desnecessário, você compromete seu orçamento e atrasa a realização dos sonhos. Simples assim!

Mas isso não significa que você deve se privar de tudo para conquistar o que deseja. É possível se organizar e estabelecer suas metas financeiras a curto, médio e longo prazo. Ficou interessado? Neste texto, vamos ajudá-lo a entender quais são seus objetivos e dar dicas valiosas para você usar muito bem suas economias! Vamos lá!

O que são as metas financeiras e qual a importância delas?

A meta nada mais é do que a definição de algo que você quer ou precisa conquistar dentro de um determinado espaço de tempo. Um exemplo é: você deseja trocar um eletrodoméstico da casa em até seis meses, pagando à vista para ganhar um bom desconto.

Mas é importante ter em mente que o caminho percorrido nesses seis meses nem sempre será reto. Isso porque sempre surgem despesas extras, como um vazamento na cozinha para consertar ou despesas com remédios para alguém da família que ficou doente.

É muito comum se perder, deixando de lado o seu planejamento financeiro pessoal, mas você não pode deixar que isso aconteça. Afinal, o hábito de traçar objetivos, além de permitir que você junte uma reserva de dinheiro para aplicar naquilo que deseja conquistar, o ajuda a construir, pouco a pouco, um patrimônio, essencial para o futuro.

Qual a diferença entre as metas de curto, médio e longo prazo?

Ao decidir o que fará com o seu dinheiro agora, daqui a uns meses e daqui a uns anos, você está delimitando suas metas financeiras a curto, médio e longo prazos. Esses objetivos devem fazer parte de um planejamento, que inclui as ações tomadas para que você possa realizar seus sonhos. Algumas delas são:

  • economizar;
  • reduzir gastos desnecessários;
  • estruturar seus objetivos, de acordo com suas possibilidades;
  • controlar o que entra e o que sai do seu bolso;
  • fazer o seu dinheiro render.

Essas medidas são muito importantes para que você consiga se organizar e saiba exatamente onde está a maior parte dos seus gastos. Isso ajuda você a controlar as finanças, poupando-o das dores de cabeça no fim do mês e do risco de ficar no vermelho, o que pode acarretar em dívidas acumuladas.

Confira as diferenças entre cada uma dessas metas financeiras e saiba aplicá-las de forma eficiente na sua vida!

De curto prazo

Normalmente, são os propósitos mais simples de serem conquistados e que não pedem tanto investimento assim — às vezes, eles até cabem dentro do seu orçamento atual. Aqui, também é o momento de priorizar as urgências, como quitar o rotativo do cartão de crédito, para que os valores não fiquem mais altos e consumam toda a sua renda.

Além disso, reformas e consertos imprescindíveis na casa, por exemplo, ainda entram nessas metas de curto prazo. Afinal, quitar essas emergências sem fazer novos parcelamentos é o ideal até pra você ver o quanto sobrou. Para não ficar apertado e conseguir uma folga no bolso, vale pensar em reduzir o plano do celular para um mais enxuto, levar marmita para o trabalho e escolher opções de lazer mais baratas.

De médio prazo

Nesse caso, entram os objetivos maiores, que pedem um planejamento mais elaborado para saírem do status de sonho, podendo levar até mais de um ano para se concretizarem. A troca do carro, uma viagem longa e a mudança para um local mais amplo para fixar seu negócio são alguns dos exemplos.

Pensar em uma economia mais drástica, como vender alguns bens que não estiverem em uso, ou procurar outros trabalhos para ganhar um extra são boas formas de dar o pontapé inicial para conquistar seus desejos. Mas é importante lembrar que não basta apenas juntar dinheiro, também é preciso controlar quanto anda saindo do seu bolso.

De longo prazo

São aqueles ideais que darão uma guinada na sua vida, trazendo mais qualidade e sensação de plenitude. Por exemplo, investir em seu negócio, seja comprando máquinas e equipamentos necessários ou adquirindo seu próprio espaço, a fim de sair do aluguel.

O dinheiro necessário para as metas financeiras a longo prazo não surgem apenas do fato de apertar as contas aqui e ali. Por isso, vale considerar vender bens, investir o dinheiro recebido em fundos adequados ao seu perfil e que tenham bom rendimento, ou estudar a possibilidade de um empréstimo bancário.

Como se organizar estabelecendo metas financeiras pessoais?

O passo zero aqui é entender se é uma meta real ou apenas desejo passageiro. Uma meta pode ser trocar o freezer do seu negócio para um maior e conseguir estocar parte da produção. Já um desejo momentâneo tem a ver com coisas que você não necessariamente queria ou precisava, mas que foi levado pelo impulso, como comprar algo simplesmente porque estava na promoção.

Uma dica para descobrir se algo é um desejo ou uma meta é: sempre que sentir vontade de comprar um item ou viver algum momento, não tome a decisão na hora. Vá para casa, reflita alguns dias sobre isso. Se depois de algumas semanas, você ainda estiver pensando sobre o assunto, é provável que essa seja uma das suas metas.

Você pode incluí-las nos tipos: curto, médio e longo prazo. Assim, fica mais fácil entender como será seu planejamento e quais caminhos são mais viáveis de seguir. Outras dicas podem ser úteis, como:

  • olhe para todos os seus gastos e repense seus hábitos. Comer menos fora de casa ao longo do mês pode render um saldo extra;
  • tenha pé no chão ao fixar metas para não se endividar. O ideal é ficar dentro das suas possibilidades;
  • revise o objetivo a cada dois ou três meses para ver se está chegando mais perto. Às vezes, é preciso repensar o plano.

Já tenho as metas! O que fazer para alcançá-las?

Se você já conhece quais são seus propósitos ou se foi refletindo sobre eles ao longo deste texto, está mais do que na hora de colocar em prática alguns conselhos para tornar seu sonhos mais possíveis dia a dia!

Faça um planejamento financeiro pessoal

É preciso colocar na ponta do lápis ou mesmo em uma planilha no seu computador toda a sua renda mensal e quais são seus gastos fixos, como aluguel, energia, água, condomínio, internet, Netflix etc. A ideia é que entre tudo, dos itens básicos aos mais complexos, ok?

A partir do momento em que você vê o quanto está saindo, consegue pensar em formas de economizar ou cortar alguns serviços que nem está usando tanto: você vai ver que isso é possível 100% das vezes.

Controle seus gastos

Em muitos momentos, sair de casa com uma quantidade mínima de dinheiro e sem levar o cartão de crédito/débito é uma forma de se obrigar a não comprar nada. Outra maneira consciente de repensar seus gastos é se perguntando: “eu preciso mesmo disso?”, “para que eu preciso disso?”, “eu vou me arrepender depois de comprar?”. Às vezes, tudo o que a gente precisa é refletir uns minutinhos.

Busque maneiras de economizar

Por mais que seus gastos sejam bem pensados e pequenos, sempre existem formas de reduzi-los. Um exemplo é trocar o atual cartão de crédito por outro com menos anuidade e taxas menores, assim como mudar o plano de internet por um que tenha um melhor custo-beneficio.

Reflita antes de se endividar

Pagar uma prestação a perder de vista e encarar juros, será? Juntar o dinheiro por alguns meses (metas de curto prazo, lembra?) torna possível o pagamento à vista com desconto ou em menos parcelas sem juros.

É interessante também pensar que, caso precise fazer um empréstimo do banco, vale verificar as condições de mais de uma instituição para escolher aquela com taxas menos pesadas.

Comece a investir

Nem sempre a poupança tem o melhor rendimento, sabia? Hoje, há várias possibilidade de fazer investimentos seguros. Uma ótima ideia é começar a acessar o YouTube e aprender sobre o assunto ou até mesmo lendo alguns textos!

A partir do momento em que os objetivos estiverem todos definidos, você consegue estabelecer as melhores metas financeiras para conquistar o que deseja e trazer mais oportunidades à sua família. Quando se tem tudo planejado, deixar de se comprometer com gastos supérfluos fica até mais fácil!

Que tal continuar a repensar seus gastos e se planejar melhor? A seguir, você conhece seis ótimas dicas para fazer um planejamento financeiro anual. Acesse!

Posts relacionados

Deixe um comentário